segunda-feira, 18 de agosto de 2014

DIFERENÇA ENTRE PAIS-VELHOS E PRETOS-VELHOS

   



Quando alguns espíritos se apresentam com aspecto de pais-velhos, isso não implica necessariamente que tenham sido escravos ou negros em sua última existência. Muitos escolhem essa figura humana a fim de estampar em sua vestimenta perispiritual algo que tenha afinidade com a cultura brasileira, com a formação espiritual de nosso povo e, assim, aproximar-se das pessoas simples e atingi-las mais facilmente. 
A forma exterior que ostentam tais benfeitores pode conter muito mais de simbolismo do que revelar que tenham sido escravos. Querem combater o preconceito e quebrar barreiras raciais, religiosas, sociais.
Há espíritos que realmente foram negros e desencarnaram em idade avançada, embora nem sempre tivessem conhecimento de questões espirituais. Não se pode ignorar que muitos experimentaram enorme sofrimento e, impotentes, sem ter como se defender, desenvolveram amarga revolta contra seus senhores. Evidentemente, isso também revela que não possuíam a devida maturidade espiritual.
Por outro lado, posso dizer também que verdadeiros iniciados do passado glorioso de certas civilizações buscaram, no seio da mãe África, o meio de desempenhar seu papel, servindo de referência para os povos que precisavam de orientação, principalmente no momento em que se enchiam os navios negreiros rumo à terra brasileira.
 Reencarnaram no Congo, em Daomé (atual Benim) e em outras nações da costa ocidental africana, trazendo o conhecimento de suas experiências passadas. Estes, sim, são os verdadeiros pais-velhos - em oposição a pretos-velhos. Repare que o termo pai, aqui é empregado com muito acerto, pois ressalta a dilatada experiência de vida que tais espíritos possuem, algo muito bem representado na figura do ancião. Necessariamente possuidores de algum conhecimento iniciático ou espiritual, os pais-velhos são entidades geralmente mais experientes que os demais, inclusive que os pretos-velhos. Claro que essa é uma separação didática; no dia-a-dia, ambos os termos são empregados sem distinção: pai-velho e preto-velho. A rigor, entretanto, há diferença entre eles, conforme expliquei.
No que diz respeito à forma astral escolhida pelos pais-velhos para se manifestar - não somente em seus médiuns, mas no plano extrafísico também -, ela remete à ideia de humildade, sabedoria, simplicidade e experiência, próprias da maturidade espiritual.
Iniciados de antigas civilizações e, hoje, na roupagem fluídica de pais-velhos, tais espíritos possuem vasto conhecimento acerca do desmanche de magia negra ou antígoécia, por exemplo. São respeitados entre os representantes das sombras, na subcrosta, e muitos deles, inclusive, são temidos por essas falanges de obsessores. No campo da saúde, conhecem muito sobre os recursos da medicina espiritual e natural, tal como o uso de ervas, que atualmente chamam de fitoterapia. Além disso, os pais-velhos dominam o elemento ectoplasma, do qual são hábeis manipuladores. Sabem empregar essa substância a fim de materializar certos medicamentos, utilizados para a cura dos filhos da Terra, sem contar sua extrema habilidade na área do magnetismo.
Pai João gosta muito de passar o conhecimento. É preciso formar uma ideia mais ampla sobre a diversidade de espíritos que trabalham em nosso planeta.

Do livro: Corpo Fechado  (Robson Pinheiro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.
Assim que o ler, o publicarei e o respoderei.
Volte para saber a resposta beijos!