domingo, 6 de novembro de 2011


OGUM XOROQUE-SÒRÒKÈ

Tradicionalmente, para o povo yorùbá, ÒGÚN é simplesmente ÒGÚN. Não há qualidade para Òrìsà. Um òrìsà pode receber vários títulos, em decorrência de seus feitos, ou com aquilo com que ele possa estar relacionado. Para o caso de ÒGÚN ele pode receber vários títulos como: Oníré (Senhor Da Cidade De Iré), Olóòbe (senhor da faca), Aláàda Méjì (senhor das duas espadas - facões), Aláàgbèdè (senhor da forja), e muitos outros, mas ele nunca deixa de ser um único ÒGÚN, sempre com o mesmo caráter. Sempre o elemento IRIN (ferro - mineral) da natureza, portanto de ÀSE DÚDÚ. Este hábito está na cultura Yorùbá, que dá vários títulos para uma mesma pessoa, pois nesta cultura as pessoas não gostam de revelar seus verdadeiros nomes, pois crêem que, em posse do verdadeiro nome de uma pessoa, poderemos ter domínio sobre ela. Assim, em uma família Yorùbá, poderemos encontrar uma só pessoa com mais de dez títulos. Um dado pelo avô, outro pela avó, outro pela mãe, e assim por diante. Sendo que, o verdadeiro nome desta pessoa, só os de extrema confiança saberão.
OGUM XOROQUÊ é uma criação dos cultos afro-brasileiros do candomblé (Jeje-Daometano mesclado ao Nàgó -Yorùbá) e umbanda. Não é de raiz puramente yorùbá.
(note a grafia OGUM XOROQUÊ) no idioma Yorùbá não existem as letras “X e Q”, mas com o “som” delas temos o “S” e o “K”. Muitas ìtòn (lendas) yorùbá de ÒGÚN contam realizações e feitos que esta divindade exerceu no alto de montanhas. Daí o título SORÓKÈ.
Tenho a explicar: se = fazer, agir + orò = costume, hábito + òkè = monte, montanha, colina, topo, lugar alto.
Teremos SORÓKÈ = "acostumado a agir na montanha". Como também pode significar "pessoa que está em um lugar alto" um título para o mesmo ÒGÚN de sempre, um grande Ode que gostaria de receber suas oferendas no topo da montanha.
Porém, os cultos afro-brasileiros, fizeram de OGUM XOROQUÊ uma outra divindade “meio ogum meio exú”, tratado como uma das muitas divindades "méta-méta", tendo este termo o significado de "metade-metade". Em yorùbá "méta-méta" quer dizer "de três em três", pois "méta" é o numero três. À XOROQUÊ é dado enorme valor, visto o potencial de realização que Exú e Ogum possuem nestes cultos e, este potencial, das duas divindades, estariam somados nesta "qualidade" de Ogum, o XOROQUÊ. Um grande potencial de realização para as oferendas, um potencial muito grande para "quebrar demandas", um poder de vingança enorme, e muitos outros valores a mais, tudo isso estaria onde o filho de Xoroquê colocasse suas mãos. Portanto, esta crença faz com que todos venham a desejar ter um filho de Xoroquê em suas casa de santo. Mas, a cultura Yorùbá não tem uma divindade com duplo caráter, não digo em tom pejorativo, mas porque ÈSÙ tem seu próprio caráter, e ÒGÚN o dele, e não há divindade que some duas personalidades. Ou seja, ÈSÙ é do elemento INÓN (fogo) de ÀSE PUPA, mas só ele pode somar os três àse - FUNFUN, DÚDÚ, PUPA - outra divindade não pode somar àse, ou ter mais que um. Observe a importância de Èsù.
Diga sempre estas frases para ÒGÚN, pois o agrada muito, e principal, elas são a pura expressão da verdade:
BI OMODÉ BÁ DA ILÈ, KÍ O MÁ SE DA ÒGÚN.
(UMA PESSOA PODE TRAÍR TUDO NA TERRA SÓ NÃO DEVE TRAÍR ÒGÚN.)

UMA LENDA DE OGUN SOROKE/CHOROQUE/XOROQUE

Ogun tinha muita afinidade por Esu seu irmão mais velho. Aventureiros os 2 sempre andavam juntos Ogun dono dos caminhos e Esu as encruzilhadas Ogun e Esu também tinham fundamentos com os minérios (esse domínio também e descrito em Cuba), Ogun era um jovem guerreiro filho do chefe de Ile Ifé. Uma vez ao voltar de uma caçada não encontrou vinho de palma (ele devia estar com muita sede) e zangou-se de tal maneira que irado subiu a um monte ou montanha e Soroke (gritou Ferozmente ou cortou cruelmente do alto da montanha ou monte) cobrindo-se de sangue e fogo e vestiu-se somente com o mariuwo, esse Ogun furioso chamado agora de Soroke, foi para longe para outros reinos, para as terras dos Ibos, para o Daome, ate para o lado dos Ashantis, sempre furioso, Guerreando, lutando, invadindo e conquistando. Com um comportamento raivoso que muitos chegaram a pensar tratar-se de Esu zangado por não ter recebido suas oferendas ou que ele tivesse se transformado num Esu (talvez seja por isso que chegue a ser tratado como sendo metade Esu por muitos do candomblé). Antes que ele chegasse a Ire, um Oluwo que vivia lá recomendou aos habitantes que oferecessem a Soroke, AJA (cachorro), ISU (inhame), e muito vinho de palma, também recomendou que, com o corpo prostado ao chão, em sinal de respeito recitassem os seus orikis, e tocadores tocassem em seu louvor. Sendo assim todos fizeram o que lhes havia sido recomendado só que o rei não seguiu os conselhos, e quando Soroke chegou foi logo matando o rei, e antes que ele matasse a população Eles fizeram o recomendado e acalmaram Soroke, que se acalmou e se proclamou rei de Ire sendo assim toda vez que Soroke zanga-se ele sai para o mundo para guerrear e descontar sua ira chegando ate a ser considerado um Esu e quando retorna a Ire volta a sua característica de Ogun guerreiro e vitorioso Rei de Ire.

por:Awofa Ifakemi Miguel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.
Assim que o ler, o publicarei e o respoderei.
Volte para saber a resposta beijos!